Uma introdução à Fachada Modular

Uma introdução à Fachada Modular

Os sistemas de fachadas para a envolvente de um edifício devem suportar apenas o seu próprio peso e os efeitos das ações ambientais, tais como o vento. Não se destinam a apoiar a integridade estrutural do edifício. Existem dois tipos principais deste tipo de construção de fachada: “tradicional” e “modular”.

Na montagem tradicional, a estrutura da fachada é montada maioritariamente em obra com os montantes e travessas que suportam o vidro, painéis opacos para zonas cegas, painéis metálicos e lâminas de sombreamento, ligados componente a componente. Normalmente, cada montante é suportado pela laje ou por vigas de bordadura.

Na montagem modular, por outro lado, a fachada é composta por grandes unidades modulares que são montadas na fábrica, depois enviadas para a obra e erguidas para a sua posição no edifício. Os perfis de alumínio são utilizados para formar a estrutura, que normalmente tem de altura um pé direito. Ventilação, vidros e painéis de enchimento são incorporados nas unidades antes de serem transportados para a obra. Tal como na montagem tradicional, cada unidade, normalmente, é suportada pelas lajes ou por vigas de bordadura.

ELEMENTOS CHAVE  
SISTEMA DE FACHADA

FACHADA STICK

Os sistemas de fachada tradicional são versáteis e permitem a integração com outros sistemas, como portas de correr e janelas. Estes sistemas tendem a ser menos especializados e podem ser fabricados pelos vários tipos de fabricantes, não dependendo de disporem uma grande fábrica de produção em série.

Contudo, os sistemas tradicionais requerem vários passos para montar e selar a parede, o que se traduz em maior consumo de tempo de montagem em obra – por norma, aproximadamente 70% do trabalho é executado na obra e 30% na fábrica. Isto implica custos adicionais, como o tempo de trabalho do pessoal e custos com andaimes ou bailéus.

FACHADA MODULAR

Para as fachadas modulares, cerca de 30% do trabalho é feito na obra, enquanto 70% se realiza em fábrica. A montagem completa das unidades modulares na fábrica traz uma série de benefícios.

Isto inclui:

  • Melhor Controlo de Qualidade
  • Fabricação simultânea e preparação do local - as unidades modulares podem ser fabricadas enquanto a estrutura está a ser construída. A fachada também pode ser concluída um piso de cada vez, permitindo trabalhos paralelos internos.
  • Instalação mais rápida, exigindo menos mão-de-obra no local
  • Não são necessários andaimes
  • Pode ser instalada do interior do edifício. Esta solução é ideal para edifícios altas ou locais com espaço de estaleiro limitado
  • Menos espaço necessário no local

Outra vantagem dos sistemas modulares é que, ao contrário dos sistemas tradicionais, não transferem directamente os ruídos de impacto verticalmente de piso para piso ou horizontalmente de sala para sala. Isto porque os painéis modulares são separados por juntas de união em elastómeros. Os diferentes materiais (desde vedantes a alumínio) ficam acusticamente isolados a diferentes níveis, criando assim uma separação total nas uniões entre as unidades modulares.

Na fabricação em oficina é necessário acautelar:

  • A oficina tem de estar adequadamente equipada para manusear os elementos finais
  • É necessário transporte adicional para transportar os elementos finais até ao local da obra
  • É necessário equipamento adicional no local da obra para a instalação dos módulos

Edifício Crystal com fachada modular Reynaers CW 86. 

CONSIDERAÇÕES NO DESIGN

As fachadas modulares oferecem uma série de opções de design, podendo integrar tipos de abertura, como janela projetante e janela projetante paralela, ambas também podem ser motorizadas para uma fácil utilização. Sistemas de sombreamento, painéis ‘spandrel’ e painéis de enchimentos, podem ser incluídos.

O alumínio é, normalmente, utilizado para a estrutura de fachadas devido à sua resistência e estabilidade. É também altamente duradouro, resistente à humidade e à corrosão e 100% reciclável.

Num sistema modular, os montantes tendem a ser ligeiramente maiores. Isto porque têm uma secção aberta, em comparação com os montantes em forma de tubo utilizados num sistema padrão em stick.

Há uma série de opções de acabamentos para os caixilhos, incluindo anodizado e revestimento em pó RAL.

Em termos do vidro, a especificação pode criar diferentes efeitos estéticos.

Isto inclui:

  • Vidros modulares, que seguram o vidro utilizando bites com efeito de moldura
  • Vidros estruturais colados, onde o vidro é estruturalmente colado, dando um aspeto vidrado contínuo à fachada

São oferecidos vários níveis de desempenho térmico, desde o normal até a opções de alto isolamento. Todas as variantes têm rotura de ponte térmica, mas nas opções de alto isolamento térmico o desempenho adicional pode ser alcançado inserindo tiras de poliamida reforçada com fibra de vidro numa estrutura em esqueleto de forma a criar várias câmaras.

LEGISLAÇÃO E TESTES

A reconhecida indústria standard para fachadas no Reino Unido é o Standard for systemised building envelopes (SSBE) do Centre for Window and Cladding Technology (CWCT).

O CWCT é um fornecedor de informação financiada pela indústria e formador na área de edifícios em envelope e em vidro. Publica tanto normas como recomendações.

SSBE integra a BS EN 13830:2003 Fachada, Norma de Produto, e outras normas de desempenho relevantes e Regulamentos de Construção. A norma CWCT cobre a especificação de desempenho, testes, inspeção e avaliação de edifícios em envelope construídos a partir de sistemas de elementos.

Isto inclui:

  • Fachadas
  • Rainscreen cladding
  • Sistemas de painéis compostos
  • Inclinações dos vidros
  • Janelas de parede
  • Painéis em vidro

As normas CWCT para resistência ao ar, água e vento são baseadas nas condições ambientais típicas no Reino Unido.
Ao especificar outros países com um clima diferente, devem ser feitas modificações.

Assegurar um nível máximo de segurança dos elementos de construção é uma das principais prioridades da Reynaers. Para poder acompanhar de perto todas as atividades de teste, a Reynaers criou um centro de teste dedicado no qual todos os testes são rigorosamente monitorizados. Para além das instalações de testes internas, o Reynaers Campus fornece apoio total para testes em laboratórios. Aconselhamento e apoio massivos, produção de elementos de teste, instalação no local... faz tudo parte da ética da Reynaers.


TESTES DE SEGURANÇA INTERNOS

No Reynaers Campus, são realizados vários testes para medir o impacto e resistência à intrusão dos nossos sistemas de alumínio. Um pêndulo em forma de pneu duplo é utilizado para medir o efeito do impacto de um corpo leve e pesado sobre o elemento. As nossas instalações de teste também estão totalmente equipadas para testes estáticos, dinâmicos ou manuais de antirroubo.
 

PERMEABILIDADE AO AR

O teste de permeabilidade ao ar mede o volume de ar que passaria numa janela fechada a uma certa pressão de ar. O pico da pressão do ensaio é determinado pelo especialista com base numa das classes BS EN 12152: 2002 Fachada, Permeabilidade ao Ar, Requisitos de Desempenho e Classificação.

O especialista deve decidir o nível de permeabilidade ao ar exigido para um determinado edifício. Se um edifício necessitar de mais permeabilidade, o especialista pode elevar a pressão do ensaio.

ESTANQUIDADE À ÁGUA  

O teste de estanqueidade à água envolve a aplicação de um jacto de água uniforme com pressão de ar crescente até que a água penetre na janela. O pico da pressão de teste é determinado pelo especialista com base numa das classes da BS EN 12154:2000 Fachada, Estanquidade à Água, Requisitos de Desempenho e Classificação.

O especialista deve decidir o nível de resistência à água para um determinado edifício com base no grau de exposição às condições meteorológicas. Por exemplo, numa localização costeira, pode ser necessário testar a uma pressão mais elevada.

RESISTÊNCIA À CARGA DO VENTO

A resistência à carga do vento é uma medida da resistência estrutural do perfil e é testada através da aplicação de níveis crescentes de pressão de ar para simular a força do vento. Os requisitos de desempenho no que diz respeito à resistência à carga do vento para as fachadas é determinado pela classe BS EN 13116:2001 Fachadas, Resistência à Carga do Vento.

Devido à grande diversidade de esquemas elevados e variações dentro das instalações das fachadas, não é considerado prático classificar estruturalmente a grande variedade de sistemas de fachadas e construções desenhadas propositadamente.

INSTALAÇÃO

As fachadas modulares podem ser instaladas a partir do interior do edifício utilizando uma viga no piso acima, ou a partir do exterior utilizando uma grua. A equipa de instalação deve estar ligada com segurança à estrutura através de um arnês.

Os módulos são transportados para cada nível, levantados na posição correta e instalados em cada placa do piso. Isto envolve o engate dos módulos em suportes que são fixados ao substrato principal e nivelados com parafusos sextavados.