Grands Moulins de Pantin

Grands Moulins de Pantin

Reichen Robert & Associés

Com uma silhueta impressionante vista a partir da estrada de circunvalação de Paris, este antigo moinho de farinha, atualmente propriedade do Grupo BNP Paribas e que deixou de funcionar em 2001, é um elemento emblemático de património industrial do nordeste de Paris. Trata-se de uma reconversão de larga escala finalizada após quase quatro anos de construção.

O gabinete de arquitetos vencedor do concurso em 2001, Reichen Robert & Associés, aceitou o desafio de converter a zona industrial do século dezanove, ‘Grands Moulins de Pantin’, num complexo de escritórios de 50.000 metros quadrados que cumprisse a certificação francesaHQE (Norma Ambiental de Alta Qualidade), uma certificação nacional relativa à construção sustentável com o objetivo de melhorar a qualidade ambiental das construções novas e existentes. Os aspetos ambientais devem ser integrados em cada etapa do processo, incluindo o planeamento, desenho, construção e gestão. O projeto Grands Moulins cumpriu a certificação na fase de desenho e implementação. Cerca de 22.000 metros quadrados do projeto envolveram a remodelação de vários prédios antigos. Embora não tivessem sido classificados nem listados como edifícios históricos, certos elementos do património industrial do local tiveram de ser preservados, como explica Bernard Reichen. ‘Tínhamos uma visão clara: era necessário encontrar uma forma de reutilizar o edifício no contexto de uma nova atividade. Por isso preservámos todas as estruturas arquitetónicas principais, ou seja, as que eram determinantes para a imagem do local.’

Três novos edifícios e duas pontes pedonais, estas últimas e equipadas com o sistema de portas e janelas CW50-FV da Reynaers

Conceito

Assim, o desenho baseou-se no princípio de manter os dois edifícios mais antigos, denominados pelos arquitetos como pequeno moinho e grande moinho, e também a famosa ponte de transporte que atualmente desempenha uma nova função como local de exibições. Estes três edifícios reconstruídos foram equipados pela empresa Seralu com sistemas de alumínio Reynaers (CW 86-EF/VEC, CW 50-FV e XS 50-VEC) nas armações existentes, com novas janelas, fachadas de vidro contínuo e fachadas interiores viradas para o átrio. Três novos edifícios e duas pontes pedonais, estas últimas e equipadas com o sistema de portas e janelas CW50-FV da Reynaers, foram desenhadas de forma a que todo o complexo estivesse interligado sem necessidade de passar pelo exterior. Isto assegura um grande nível de segurança e conforto para os utilizadores desta cidade-miniatura que funciona 24 horas por dia. O edifício alberga os escritórios centrais da empresa BNP Securities Services, conhecida como BP2S, uma subsidiária do grupo BNP Paribas, especializada em gestão de ativos e líder europeia no seu setor.

Eq uilíbrio entre reabilitação e nova construção

O trabalho minucioso deste projeto exigiu o desmantelamento do interior dos edifícios: os silos e a maquinaria foram retirados, foram construídos novos pisos e em muitos casos as fachadas foram alinhadas. Os três edifícios mais altos, com os seus telhados de mansarda, foram preservados. Dois silos foram demolidos e o terceiro, o chamado moinho grande virado para o canal, foi reconstruído. A grande estrutura de betão revestida a tijolo vermelho foi equipada com novas janelas com secções XS 50-VEC da Reynaers. A fábrica de processamento de sêmola, originária dos anos 50 e já demolida, foi substituída por um novo edifício simples de três andares. O tijolo, o material que caracteriza o complexo, foi utilizado para revestir tanto os edifícios reconstruídos como os novos. Assim, os moinhos elegantes retiveram a sua silhueta alta e a sala da caldeira em tijolo refratário e a antiga sala de máquinas mantêm-se visíveis no meio do edifício, equipado com vidro para maior abertura.

Reconversão de grande escala e bemsucedida de uma antiga zona industrial

Átrio equipado com sistemas Reynaers

A utilização do máximo possível de luz natural, incluída na abordagem ambiental da HQE, cria um ambiente verdadeiramente agradável nos escritórios. A característica mais interessante é sem dúvida o átrio formado pela antiga sala da caldeira do moinho grande, um espaço aberto equipado com secções Reynaers, por volta da caldeira original. Antes do seu desmantelamento, o moinho de farinha empregava 450 pessoas. Atualmente, este edifício de alta segurança alberga 3200 locais de trabalho, 800 lugares de estacionamento e dois restaurantes para os funcionários com capacidade para 2200 refeições fornecidas por uma cozinha central. O local deixou de armazenar sacos de trigo para albergar atualmente serviços financeiros, equipados com a mais recente tecnologia de informação do setor. Alguns veem mesmo uma continuação da história do ‘trigo’ (blé é a palavra-calão que os parisienses utilizam para o dinheiro).

Instalador: 
Seralu
Arquiteto: 
Reichen Robert & Associés
Localização: 
Pantin, França View on map
Fotógrafo: 
Thierry Poiblanc Luc Boegly
Outros parceiros: 
BNP Paribas Immobilier (General Contractors)
Sistemas Reynaers utilizados: 
Janelas
  • Master-Do Not Publish