Como o Alumínio Mudou a Arquitetura

Como o Alumínio Mudou a Arquitetura

Forte, leve, durável, resistente à corrosão, infinitamente reciclável e com capacidade de ser moldado em praticamente qualquer forma, o alumínio pode alcançar na arquitetura o que outros materiais de construção comuns, como tijolo ou madeira, não conseguem. Desde que surgiu no início do século XX, que tem sido um motor na revolução da arquitetura moderna.

Quando surgiu o alumínio

No início do século XX, o alumínio não era totalmente utilizado na arquitetura e engenharia devido ao custo. Mas no início dos anos 20, graças às inovações no processo de produção, o custo do alumínio foi reduzido 80%. Como resultado, o metal tornou-se popular para aplicações estruturais, bem como para a utilização em várias componentes de edifícios, incluindo portas, janelas, portas de correr, coberturas, fachadas, sombreamento, balaustradas e em aplicações decorativas – entre outros…

 

Ferrari World Abu Dhabi - Emirados Árabes Unidos
© Benoy Architects

Aplicações arquitetónicas de referência

O alumínio foi massivamente utilizado, pela primeira vez na construção do Empire State Building de Nova York. Concluído em 1931, o edifício permaneceu o mais alto do mundo até 1970. A estrutura e os componentes básicos do edifício foram concluídos em alumínio com o interior e o lobby também com o material.

 

Em meados do século XX, arquitetos icónicos experimentaram fortemente o alumínio. Um dos primeiros exemplos mais interessantes da arquitetura modernista que emprega o material foi a Aluminaire House, a primeira casa feita toda em metal nos Estados Unidos, projetada por Lawrence Kocher e Albert Frey. A casa Dymaxion de Buckminster Fuller é outro exemplo, notável pela experimentação com ligas de alumínio leves que demonstram alta relação resistência/peso.

Four Seasons Hotel - Bahrain
© Skidmore, Owings & Merrill LLP (SOM)
Fotografia: Waleed Alabbas

Alumínio no século XXI

O alumínio continuou a atravessar as fronteiras para o século XXI. As ligas de alumínio modernas, por exemplo, são facilmente capazes de suportar o peso de vãos de vidro pesados, maximizando assim a quantidade de luz natural nos edifícios. Os arranha-céus, com uma combinação de armações de vidro e alumínio, também aumentam os limites em todo o mundo. Além de obter formas desafiadoras da gravidade, as estruturas de alumínio permitem construções cada vez mais altas, mais eficientes em termos de energia e com emissões de CO2 significativamente reduzidas.

 

A Revolução do Edifício Verde

Hoje com uma ênfase crescente na construção verde, o alumínio é conhecido como um dos materiais de construção mais eficientes em termos de energia e sustentáveis. Com a sua extrema durabilidade, o alumínio pode ser utilizado em qualquer condição climática, variando de - 80º C a + 300 º C. A tecnologia de isolamento usada para as aplicações de fenestração de alumínio está a responder aos requisitos de baixa energia dos regulamentos atuais e futuros.

Além disso, no final do ciclo de vida, o alumínio é transformado em alumínio novo sem perda de qualidade, garantindo infinita reciclagem

Graças a essas caraterísticas, os edifícios com uso intensivo de alumínio ganharam vários prémios de construção sustentável, incluindo LEED Platinum e Gold, garantindo que o alumínio continue a ser um fazedor de mudança no mundo da arquitetura.