A AGENDA DA ENERGIA

A AGENDA DA ENERGIA

DESDE HA ALGUNS ANOS QUE A SUSTENTABILIDADE SE TORNOU UM TEMA VITAL. PAISES POR TODO O MUNDO VEEM-SE CONFRONTADOS COM PROBLEMAS CLIMATICOS. PESSOAS E EMPRESAS POR TODO O MUNDO SÃO CONFRONTADAS COM OS PREÇOS CRESCENTES DOS COMBUSTIVEIS E CARVÃO. DEVIDO A CRESCENTE ESCASSEZ DESTES RECURSOS E A CRESCENTE PROCURA POR PARTE DOS MERCADOS EMERGENTES, COMO A CHINA E A ÍNDIA, OS PREÇOS CONTINUARÃO A AUMENTAR.

É claro que estes problemas climáticos e económicos exigem alterações radicais nas nossas atitudes e comportamentos. Nos anos 70, após a primeira crise do petróleo, a sustentabilidade focou sobretudo a necessidade de desenvolver edifícios com melhor isolamento. Nos anos 90, experimentaram-se conceitos climatéricos integrados na arquitetura, especialmente com telhados de relva, átrios e fachadas de revestimento duplo de alta tecnologia. Os governos e as organizações ambientais criaram novas marcas de qualidade como a FSC (Forest Stewardship Council – Conselho de Gestão Florestal) – uma marca de qualidade internacional para papel e madeira que garante a proveniência dos produtos de florestas geridas de forma sustentável e à qual a Reynaers aderiu; outra marca de qualidade de baixa energia como a Passiv Haus destina-se a edifícios com uma necessidade de energia para aquecimento e refrigeração extremamente reduzida.

O público em geral levou mais tempo a compreender o conceito de sustentabilidade. Foram necessárias publicações como ‘Cradle to Cradle’, um livro e conceito lançados em 2002, da autoria do arquiteto William McDonough e do químico Michael Braungart, e o filme de Al Gore sobre o aquecimento global – ‘An Inconvenient Truth’ – lançado em 2006. Uma vez que os edifícios são responsáveis por 40% das emissões totais de CO2 na UE, a indústria de construção colocou também a sustentabilidade no topo da sua agenda. ‘O problema é realmente urgente’, afirma o Dr. Nigel Jollands, Chefe da Unidade de Eficácia Energética da Agência Internacional de Energia (AIE) que aconselha diversos países membros, bem como o G8, sobre questões energéticas. ‘Necessitamos realmente de uma revolução energética. O Sistema atual não é sustentável mas sim poluente e caro. E os edifícios consomem uma parte considerável da energia de um país, por isso a tomada de medidas para melhorar a eficácia energética nos edifícios é uma prioridade absoluta.’

“OS EDIFÍCIOS SÃO RESPONSÁVEIS POR UMA PARTE SUBSTANCIAL DO TOTAL DAS EMISSÕES DE CO2 NA UE, POR ISSO A INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO COLOCOU TAMBÉM A SUSTENTABILIDADE NO TOPO DA SUA AGENDA”

O que significa sustentabilidade?

A questão mantém-se: o que é realmente sustentável? O facto de o tema receber cada vez mais atenção implica que hoje em dia o conceito de ‘sustentabilidade’ envolve inevitavelmente uma certa comercialização e inflação. Todos afirmam utilizar métodos sustentáveis. Um produtor de madeira afirma que os seus produtos são ‘100% biodegradáveis’ e neutros em termos de CO2. Um fabricante de elementos sintéticos para construção salienta que os seus produtos não se degradam biologicamente, ou seja, não têm de ser pintados, substituídos ou impregnados com produtos nocivos para o ambiente. Um fabricante de tijolos afirma que os seus produtos são produzidos a partir de materiais completamente naturais e que têm ‘um aspeto intemporal’ o que supostamente trará vantagens para a sustentabilidade da arquitetura. Há muito tempo que a Reynaers sabe que a sustentabilidade não se trata de um conceito de rotina e que por isso não deve ser abordado como tal. ‘É verdade que o alumínio é um material ecológico graças à sua durabilidade (75% da totalidade do alumínio produzido ainda é utilizado atualmente) e à sua possibilidade de reciclagem a 100%. Mas o que ilustra realmente o nosso empenhamento para com um futuro mais sustentável é aquilo que fazemos com este material na Reynaers Aluminium’, afirma Erik Rasker, Diretor Tecnológico da Reynaers. Esta é também a opinião do Dr. Jollands: ‘O AIE defende fortemente a integração de eficácia energética nos edifícios, particularmente no parque imobiliário existente. O desempenho térmico, tanto das janelas como das fachadas é muito importante, tal como a conceção global do edifício: a sua orientação, sistemas de ventilação e aquecimento, etc.’

Os painéis fotovoltaicos no telhado do centro de distribuição da Reynaers em Duffel geram 80% do total da energia necessária

Tema principal de desenvolvimento

A eficácia energética é um dos mais importantes aspetos dos desenvolvimentos que a Reynaers tem implementado nos últimos anos e é um tema sobre o qual a Reynaers trabalha continuamente. Por exemplo, foi dada muita atenção ao desenvolvimento de janelas, portas de correr e fachadas altamente isolantes que minimizam as perdas de energia do edifício. A Reynaers procura também formas de regular melhor a luz solar, por um lado desenvolvendo perfis finos para grandes painéis de vidro, permitindo assim maior entrada de luz e exigindo menos energia para iluminação e aquecimento, e por outro lado utilizando os sistemas Brise Soleil que filtram a luz solar quando necessário, o que reduz a necessidade de refrigeração. A Reynaers também desenvolveu sistemas produtores de energia e oferece agora sistemas de fachada e de proteção solar que permitem a integração de painéis solares. No entanto, a Reynaers não contribui apenas para o desenvolvimento de sistemas sustentáveis mas investe também na minimização da utilização própria de combustíveis fósseis. Em 2007, foram instalados 3072 painéis fotovoltaicos no telhado do centro de distribuição da sede em Duffel, os quais produzem mais de 550.000 kW h anualmente, reduzindo assim as emissões de CO2 em cerca de 300 toneladas. A instalação foi alargada para 7047 painéis no final de 2010, gerando assim 80% do total da energia necessária. 

Atividades estratégicas 

É evidente que a Reynaers valoriza o empreendedorismo sustentável; a companhia subscreve o conceito de Responsabilidade Social Empresarial (RSE) e assegura que este conceito está sempre na vanguarda das suas práticas de trabalho. A abordagem RSE assenta na ideia de que as exigências de todos os participantes devem ser cumpridas, sob o mote: ‘Pessoas, Planeta, Proveitos’. A Reynaers efetuou já muitíssimas ações concretas derivadas deste ambicioso manifesto. No que se refere a ‘Pessoas’, isto significa vai para além da assistência ao cliente e da facilidade de uso – envolve todos os aspetos desde o desenvolvimento do mecanismo mais simples para portas e janelas até à minimização do número de peças por projeto para reduzir ao mínimo o risco de erro. Significa também encorajar a consciência social entre os empregados através da organização anual de um dia comunitário. No que se refere ao ‘Planeta’, o foco reside na integração de inovações técnicas e arquitetura eficazes em termos energéticos, como por exemplo a instalação fotovoltaica previamente mencionada nas instalações em Duffel. Outro exemplo é o desenvolvimento de perfis isolantes de alta qualidade e sistemas de ventilação com maior valor estético, disponibilizados aos arquitetos em praticamente qualquer tamanho e cor. Isto acabará por tornar a sustentabilidade um fator atrativo e por isso trata-se de uma escolha evidente. O termo ‘Proveitos’ está relacionado com a saúde financeira da empresa e com a sua continuidade, necessárias para a pesquisa e desenvolvimento e para a implementação de novos sistemas sustentáveis. Isto inclui o desenvolvimento de mais know-how e o intercâmbio deste conhecimento com terceiros. A Reynaers não só comercializa sistemas de baixa energia como também participa em diversos projetos. Por exemplo, atualmente a empresa está a estudar a melhor forma de implementação do conceito Cradle to Cradle por todo o Grupo Reynaers. De forma a promover a reciclagem do alumínio, a Reynaers iniciou recentemente um projeto com uma empresa consorte, a E-MAX - uma empresa belga de extrusão de alumínio. Em conjunto, as duas empresas documentaram a renovação de uma antiga fachada em alumínio, a re-fusão dos diferentes elementos e finalmente a produção de novos perfis que satisfazem as mais recentes exigências em termos de isolamento térmico. Por fim, a Reynaers estabeleceu uma nova parceria com a Agência Internacional de Energia (AIE). O objetivo da parceria é o desenvolvimento de uma ‘Política sobre janelas’, uma brochura sobre eficácia energética e janelas destinada aos governos. Nigel Jollands: ‘A contribuição de companhias como a Reynaers para o trabalho da AIE oferece- -nos, a nós e aos governos, perspetivas sobre novas tecnologias e trata-se ao mesmo tempo de uma verificação da implementação real das políticas. Além disso, a experiência do setor privado no Mercado da eficácia energética pode dar origem a recomendações sobre a remoção de barreiras existentes e sobre a criação de incentivos.’ A procura de sistemas de construção sustentáveis continuará a aumentar nos próximos anos, quer no que diz respeito a novas construções como a projetos de renovação. Os produtos inovadores da Reynaers, a sua pesquisa contínua e a concentração no intercâmbio de conhecimentos permitirão que a empresa contribua genuinamente para uma nova forma de construção.