Building N Hengelo

Building N Hengelo

LKSCDD Architecten

Instalações

Foi criado um vão em dois lugares: o maior encontra-se no grande átrio comum e o outro estende-se até à cave onde se podem ver copas. Nas áreas comuns, as empresas podem facilmente reunir-se, trabalhar juntas, inspirar-se e fortalecer-se mutuamente. Em volta da ampla mezzanine, há espaços modernos de trabalho, reunião e lazer para uso dos seus inquilinos. Também existem espaços flexíveis. Há uma sala de conferência para duzentas pessoas. Na cave, encontra-se um estúdio de ecrã verde, onde podem ser testadas aplicações de realidade virtual. Existe um total de trezentos locais de trabalho. No primeiro piso, no sistema de fachada, está um ecrã LED com cerca de 80 m2, através do qual surgem apresentações das próprias empresas.

Around the large mezzanine, there are trendy work, meeting and lounge areas for tenants to use. 

Entrada livre

Costumava-se aceder ao edifício de escritórios através das naves fabris, que se encontravam atrás, e através de uma ponte pedonal que fazia parte do agora desaparecido edifício de escritórios K. Não existia nenhuma entrada privada e a fachada sul era uniforme sobre mais 120 metros. Agora, a fachada sul tem um realce evidente nas entradas. A nova entrada principal está em linha com o eixo entre o “Shared Facility Center” e a nova sede da Thales. É utilizado um sistema de fachada na entrada principal. Em direção a esta entrada e a uma segunda entrada, a fachada abre-se e revela-se cada vez mais. A fachada sul do edifício é menos aberta para efeitos de aquecimento por meio da radiação solar. 

Em 2011, o grupo tecnológico Thales decidiu mudar de rumo. Para isso, projetou um espaço de trabalho atrativo para jovens técnicos altamente qualificados. O “High Tech Systems Park” (Parque de Sistemas de Alta Tecnologia), localizado em Hengelo é o fruto desta mudança. Como última realização, o Building N foi transformado num edifício coletivo para empresas startups de alta tecnologia, sob a direção do gabinete de arquitetos LKSVDD.

Em 1922, foi fundada a sucursal neerlandesa da Thales situada em Hengelo. A fábrica NV Hazemeyers operava no setor dos dispositivos de sinalização. Em 1956, a Philips comprou a maioria das ações e o nome passou para “Hollandse Signaal Apparaten” (dispositivos de sinalização neerlandeses). Em 1990, a Thomson-CSF comprou a empresa à Philips e, em 2000, o nome Thomson-CSF foi alterado para Thales. Thales Nederland opera em vários segmentos, tais como aerospacial, defesa e tecnologia da informação. A sede de Hengelo tem ao seu ativo cerca de 1000 colaboradores. Transferiu-se assim o destaque da produção para a inovação e o desenvolvimento. Até há pouco tempo, as instalações da Thales eram vistas como uma fortaleza impenetrável com normas de segurança rigorosas. Nos dias de hoje, a empresa está convencida de que a inovação surge através da cooperação, interação, forma livre de trabalhar, relaxamento e contacto com o mundo exterior. 

 

A fortaleza transforma-se num campus

O primeiro passo consiste na demolição das grandes naves fabris, atualmente não utilizadas, situadas na zona do canal de Twente e na construção de um centro com uma nova sede e novas instalações. O arquiteto Hans Van Den Dobbelsteen do gabinete de arquitetura LKSVDD comenta que “o facto de termos sido selecionados deve-se em parte à nossa ideia de um campus verde que mais parece um parque. A LKSVDD apresentou o conceito de campus que aposta fortemente no desenvolvimento do “High Tech Systems Park” como um todo, um plano-mestre para edifícios e paisagens naturais. Aparentemente, adapta-se na perfeição às aspirações da Thales. Receberam a tarefa e, em 2014, começou a construção da nova sede e do novo “Shared Facility Center” (Centro de Instalações Partilhadas), assim como do layout da área circundante. A Thales pretende criar aqui um “High Tech Systems Park” que seja atrativo para (novas) empresas de base tecnológica.”  

 

Estrutura robusta

O passo seguinte consiste em transformar o edifício de escritórios N num centro empresarial. Como noutras (antigas) instalações da Philips, os edifícios são assinalados com letras. O Building N data de 1962 e é um edifício muito funcional com uma construção de betão robusta. O arquiteto Van Den Dobbelsteen orgulha-se que este último tenha sido conservado e acrescenta o seguinte: “pode comparar uma estrutura em betão com um sistema de armazenamento automático. Pode enchê-la com qualquer coisa.” O edifício é composto de dois pisos, cada um com 4 metros de altura, e uma cave parcialmente banhada de luz natural graças a um fosso. Tem um comprimento de 120 metros, uma profundidade de 21 metros e vãos de 7 metros. 

CW 50 Fachadas, CS 77 Hidden Vent Janelas e CS 77 Portas - Office building Building N Hengelo localizado em Hengelo OV, nos Países Baixos

"Inicialmente, o Building N tinha uma fachada extensa, sem grandes particularidades, com longas fileiras de janelas de aço. Se acreditar no que os antigos colaboradores dizem, no inverno estavam apenas 15 graus Celsius e no verão a temperatura podia estar acima dos 40 graus. No primeiro piso, as mesas de desenho foram dispostas estreitamente sob uma claraboia dupla. Estas claraboias foram posteriormente fechadas e, agora, estão em parte reabertas." 

The architect has opted for aluminium façades with slender Reynaers Aluminium profiles in view of the large glass surfaces of 4.3 x 2 meters at the main entrance. The architect also wants to approach the slenderness of the original steel windows. The three-part division of the steel windows is still recognisable in the new façades. 

Continuidade

Apesar da renovação não estar totalmente concluída, o cliente HMO começou a arrendar a propriedade em julho de 2018. “Se o arrendamento correr bem, iremos renovar também o piso subterrâneo. E, depois, podemos igualmente envidar esforços para proceder a melhorias em termos de tecnologia de instalação.”, afirma o arquiteto. 

O gabinete LKSVDD continuará no “High Tech Systems Park”: existem planos para construir um novo centro empresarial perto do “Shared Facility Center”, com áreas maiores e ainda mais luxuosas para o qual as empresas startups do Building N se irão, eventualmente, mudar à medida que forem crescendo.

Instalador: 
Oude Wesselink Kozijnen B.V.
Arquiteto: 
LKSCDD Architecten
Localização: 
Hengelo OV, nos Países Baixos
Fotógrafo: 
Jan Willem Schouten