O nosso compromisso com o alumínio de baixo carbono

Inevitavelmente, é necessário eletricidade para produzir alumínio. Mas podemos escolher a fonte de energia da qual a eletricidade é produzida. É uma decisão com grande impacto na pegada de carbono. Por isso, selecionamos fornecedores e firmamos acordos claros. Não queremos mais comprar alumínio produzido com fontes de energia poluentes, como o carvão. Preferimos fontes de eletricidade duráveis e sustentáveis. Essa energia elétrica desempenha um papel importante na produção primária de alumínio.

 

A indústria do alumínio está constantemente focada em melhorar a pegada de carbono da produção de alumínio. Grande parte dessa pegada de carbono está relacionada com a necessidade de eletricidade no processo de produção. Globalmente, a pegada de carbono do alumínio é superior a 10 Kg CO2/Kg de alumínio (até 20 Kg CO2/Kg de alumínio). Atualmente, o alumínio usado na Europa tem uma média de 8.6 Kg CO2/Kg de alumínio. A maior parte desse CO2 é atribuível à fonte de eletricidade. Ao usar “eletricidade verde”, a pegada pode cair para 4 Kg. Isso é o que chamamos de “alumínio de baixo carbono”. Atualmente a maior parte do alumínio de baixo carbono é produzido por eletricidade de centrais hidrelétricas.

Consumo elétrico reduzido por tonelada de alumínio

O processo Hall-Héroult, um processo eletrolítico, é usado para transformar óxido de alumínio em alumínio primário. Atualmente, não há alternativas viáveis para esse processo. No entanto, foram feitos progressos contínuos nos mais de 110 anos de história do processamento de alumínio para reduzir a quantidade de eletricidade usada. Nas últimas décadas, a eficiência energética do processo Hall-Héroult foi aprimorada em 20%. O foco na melhoria do consumo de energia durante esse processo continua a ser a principal prioridade, pois isso representa uma grande percentagem do custo da produção de alumínio.

 

Inovações futuras conduzem a menos CO2  

A inovação garantem que o ‘impacto residual’ possa diminuir ainda mais. Diferentes empresas produtoras em todo o mundo estão a trabalhar em novas técnicas inovadoras para reduzir mais ainda o impacto de CO2 na produção de alumínio. Uma das técnicas é substituir os ânodos de carbono no processo eletrolítico por um material cerâmico. Somente oxigénio é emitido. Isso reduz as emissões diretas de carbono para quase zero, se for usado em combinação com a eletricidade neutra em carbono. Estas inovações são pesquisadas em todo o mundo, em estreita cooperação com institutos e associações.

A Reynaers Aluminium é um membro ativo da European Aluminium fortemente comprometida em melhorar o impacto ecológico.

 

Foco no alumínio sustentável

Num futuro próximo, haverá mais melhorias na eficiência energética do processo de alumínio. Estamos ansiosos por isso, porque isso irá permitir-nos um impacto ainda melhor. Temos um claro compromisso com o consumo sustentável.

Isto significa investir em: 

  • Alumínio de baixo consumo.
  • Reciclagem de alumínio.
  • Futuras melhorias para reduzir a pegada de carbono.

 

Isso irá garantir alumínio e melhor ambiente para as gerações atuais e futuras.