LA MÉCA

O extraordinário novo centro cultural MÉCA (Maison de l'Économie Créative et de la Culture en Aquitaine (em português, Casa da Economia Criativa e da Cultura de Aquitânia) de Bordéus é uma presença monumental nas margens do rio Garonne. O primeiro projeto em solo Francês pela agência dinamarquesa BIG-Bjarke Ingels Group, em colaboração com a agência parisiense Freaks Architecture, tanto é um desafio técnico como um desafio urbano. Quase mil janelas de píxeis perfuram a estrutura do edifício numa especificação de design exigente que a Reynaers Aluminium se orgulha de ter ajudado a cumprir.

Fachada Pixelizada - A solução de fachada pixelizada foi desenvolvida à medida com os sistemas CW 86 e CW 50. 976 aros de janelas criam um padrão alternado entre 4.800 painéis retangulares, pré-fabricados, de betão.

Um Portal Cultural

O arco assimétrico de MÉCA - 37 m de altura por 120 m de largura - distorce perspetivas e pontos de fuga. "O edifício forma um laço vertical único, varrendo desde os antigos matadouros até à orla marítima de Garonne em torno de um espaço central oco ligado por passeios ascendentes de ambos os lados", explica o arquiteto dinamarquês Bjarke Ingels, fundador da BIG. No coração de um distrito em rápida mudança na margem direita de Bordéus, a um passo da estação ferroviária de Saint-Jean, o novo centro artístico MÉCA reúne três instituições culturais em mais de 13.000 m2: o FRAC (Fundo Regional de Arte Contemporânea), o OARA (Gabinete Artístico da Nova Região Aquitânia) e o ECLA (Escrita, Cinema, Literatura, Audiovisual). O presidente da região Alain Rousset queria "um lugar mágico, aberto à cidade, ao rio Garonne e à estação de comboios". Isto já foi conseguido, desde a abertura no Verão passado deste "núcleo de ação cultural regional".

Combinando duas estruturas separadas, o arco repousa sobre dois pilares de betão, ligados por uma ponte com estrutura de aço nos dois últimos níveis. Os trabalhos estruturais foram liderados pela GTM Bâtiment Aquitaine (VINCI Construction France) e assumiram inúmeros desafios técnicos para alcançar o apelo estético do projeto. O objetivo da gestão do projeto era assegurar uma fachada homogénea num volume limitado.

"Tivemos de respeitar tanto a geometria exterior como os espaços interiores", diz Ivan Mata, um arquiteto da Freaks Architecture. "“Os nossos engenheiros fizeram várias simulações para aligeirar a estrtura do revestimento, tanto quanto possível. As cerca de 4.800 lajes de betão pré-fabricadas retangulares (3,60 metros de comprimento e 0,60 metros de largura em média) que cobrem a fachada, alternadas com janelas horizontais, são assim apresentadas sem qualquer fixação aparente". Este foi um verdadeiro desafio porque os painéis, dispostos em secções de fachada por vezes muito inclinadas, tinham de poder ser solidamente pendurados apesar do seu peso (250 kg por unidade). A equipa de gestão do projeto testou vários formatos para as centenas de janelas de píxeis que perfuram aleatoriamente as fachadas. "Optamos por janelas com apenas 60 cm de altura. Dada a espessura da fachada, as aberturas atuam como quebra-sóis de grande escala. Elas limitam o ganho solar direto, mas deixam entrar muita luz natural", explica Ivan Mata. Coveris. Os especialistas em vidro arquitetónico utilizaram perfis de alumínio Reynaers para as 976 janelas, bem como fachadas verticais e inclinadas e para as monumentais portas de acesso.

Para responder ao desafio de um “envelope” suave com linhas fortes, foram combinadas diferentes respostas técnicas. Philippe Marti, delegado técnico regional da Reynaers Aluminium, explica: "Todas as janelas estão equipadas com caixilhos fixos CW 86 com tamanho personalizado. Estes são desenhos que permitiram um alinhamento perfeito com os painéis da fachada.

A altura de 60 cm permanece constante com três larguras diferentes entre os quadros fixos e os de abertura. As paredes das fachadas inclinadas foram feitas em sistema CW 50 com uma braçadeira muito fina e as aberturas deslizantes no terraço panorâmico de 6 folhas com três carris foram implementadas com perfis CP 130-LS. As portas de entrada de embutir deixam uma passagem livre de quase 12 metros sobre uma altura de 2,50 metros, uma criação significativa devido ao seu tamanho. Na lateral, as portas fixas utilizam os perfis CD 68". Para a Reynaers Aluminium, este projeto de referência tem duas características muito especiais: o acabamento em alumínio bruto, por um lado, para todos os perfis e, por outro lado, o processamento de precisão para conseguir o envelope liso exigido pelos arquitetos. Um desafio bem-sucedido para as fachadas cinéticas. Por Sophie Roulet

Instalador: 
Coveris
Localização: 
Bordeaux, França View on map
Fotógrafo: