Carrilho da Graça recebe Prémio Leon Battista Alberti

Terminal de Cruzeiros do Porto de Lisboa | Arq. Carrilho da Graça
1511

Carrilho da Graça, autor do Novo Terminal de Cruzeiros do Porto de Lisboa, recebeu uma prestigiada distinção. Desta vez, de Itália: o Primeiro Prémio Leon Battista Alberti! A escolha da primeira edição deste prémio recai sobre o arquiteto português pela já longa apreciação crítica dos profissionais e teóricos italianos pela arquitectura portuguesa. 

Carrilho da Graça, arquiteto ligado a vários projetos emblemáticos de requalificação do património, é autor do Novo Terminal de Cruzeiros do Porto de Lisboa - uma obra de referência com soluções Reynaers: Porta CD 50, Fachada de Estrutura Grampeada CW 50-SC; e vãos Fixos ES 50

Sobre este projeto que se tornou um dos ícones da revitalização da zona ribeirinha de Lisboa, leia-se a memória descritiva do autor: 

TERMINAL DE CRUZEIROS DE LISBOA , SANTA APOLÓNIA, LISBOA, PORTUGAL | 2010 - 2018

Chão levantado

Na encosta de Alfama a cidade constrói-se em anfiteatro, olhando o ‘Mar da Palha’. Na base da colina, na planura dos aterros da construção do porto de Lisboa no início do século XX, o edifício do novo Terminal de Cruzeiros ecoa, e devolve-lhe, esse olhar: um pequeno anfiteatro que, aparentemente, vira as costas ao rio e olha a cidade.

Compacto (o mais pequeno de todos os projectos que se apresentaram ao concurso público internacional de 2010 para a sua concepção), inscreve-se — com o estacionamento exterior e o tanque de marés — dentro dos muros da antiga doca do Jardim do Tabaco entretanto aterrada, aparentando quase não tocar o solo por entre as árvores do Parque/Boulevard que com ele se instalaram junto ao Tejo. Levantado do chão, eleva consigo o espaço público, transformado num terraço/miradouro — abstracta topografia — entre o rio e a cidade, como uma jangada de transbordo que ambos liga e revela.

Sob esta cobertura, terra levantada, alberga-se o programa do terminal: estacionamento no subsolo (ligado ao estacionamento exterior); entrega, processamento e recolha de bagagem, no piso térreo; passageiros (check-in, sala de espera, sala VIP, duty free, cafetaria pública) no primeiro piso; espaços flexíveis, como também o são os espaços do Parque/Boulevard, que tanto permitem antecipar a evolução do próprio Terminal, como a sua ocupação com eventos, de outra natureza, fora das horas, e estações, do seu uso como gare marítima.

Esta espécie de exoesqueleto, que cinge as áreas afectas ao programa do edifício, é materializado em betão branco com cortiça, com capacidade estrutural — uma solução especialmente desenvolvida para aligeirar o peso do edifício, limitado pelas fundações preexistentes, a partir de uma ideia de Carrilho da Graça para a experimentadesign, bienal de design de Lisboa —, que lhe confere uma qualidade háptica particular, e que se ilumina com a luz reflectida pelo estuário, a famosa ‘luz de Lisboa’.

Virtualmente cego do lado do rio — de onde o edifício se lê como um discreto embasamento pétreo da cidade — e vincando-se, do lado terra, apenas o suficiente para revelar os pontos de acesso, o volume exterior medeia as relações de vistas dos seus utilizadores com o rio e a cidade: num edifício fruído quase sempre em movimento — na passerelle, nas loggias que permitem aceder aos navios ou destes descer directamente à cidade, em circulação na cobertura, no acesso pedonal tangencial à fachada — o olhar vagueia, cinemático.

E la nave rimane.

 

Publicado no Yearbook de Arquitetura´2018 - Jornal Construir 

Terminal de Cruzeiros do Porto de Lisboa | Arq. Carrilho da Graça

Terminal de Cruzeiros do Porto de Lisboa | Arq. Carrilho da Graça

Mais notícias

Navegar no arquivo de notícias
Empresa26-02-2021

Soluções de vanguarda

Produtos26-02-2021

Sistemas de Caixilharia Corta-Fogo: a sua importância na segurança contra incêndios em edifícios

Projetos18-02-2021

Em entrevista à O'People