Skip to main content
Antonio Nunes Reynaers

Quando pensamos no Nunes, lembramo-nos instantaneamente do Papa-léguas. Bip-Bip!! Do alto dos seus 60 anos o Nunes é, literalmente, o mais ‘acelerado’ da casa.

Quem é o Nunes?

É uma pessoa que gosta de trabalhar e é amigo do seu amigo. Está sempre disponível para ajudar.

​​​

E mais?

...Uiiii... Não gosta muito de entrevistas. Até gosto de falar de mim, mas gosto de passar despercebido. Fico sempre muito fechado quando estou a falar com uma chefia.

 

…Mas eu sou tua colega :)! Mas vá, não falamos de trabalho. Quando eras pequenino querias ser…

Queria pertencer à Força Aérea, gostava muito das alturas, tudo aquilo me encantava mas não se proporcionou. O meu pai fez de tudo para eu não seguir a carreira militar. Não tinha boas memórias dos irmãos que tinham ido para a guerra... Mesmo assim alistei-me, mas acabei por não ser chamado. Emigrei.

 

Para onde?

França. Tinha 19 anos.

 

Hummm… vous parlez français?

Muito pouco!

2017_Almoço_Natal_Meet_Team_Nunes

No seu primeiro almoço de Natal da Reynaers Aluminium.

Deixa lá, eu também não.

Eramos todos portugueses, só sabíamos o nome das bebidas em francês.

Estive próximo de Montpellier. Lembro-me que o primeiro mês me custou muito. Nunca tinha trabalhado assim, mas na verdade não era uma vida dura. Trabalhava nos campos do melão, cebola e tomate. O melão era como jogar andebol!

Eu era especialista naquilo. Não podíamos tocar diretamente no melão, só com uma cana. Se estivesse bom, ‘mandávamos’ para o pessoal que estava no trator, como quem manda uma bola de andebol. Fazíamos assim porque era mais rápido. Não podíamos era falhar :)

Voltei de vez com 23 anos e tirei a carta de pesados. Desde aí já fui vendedor e motorista numa empresa de mármores e carpintaria, trabalhei numa mercearia, na indústria de produção de bebidas, num lar… Depois, assentei durante 13 anos num fornecedor de alumínios. Tive de sair e o Sérgio da Qualidade trouxe-me para a Reynaers. Aqui estou desde essa altura, já lá vão 5 anos.

 

Lembras-te do teu primeiro dia?

Lembro-me bem do dia da minha entrevista. Achei que era uma empresa aberta às pessoas.

Achei que era uma empresa aberta às pessoas.

António Nunes

Um momento que te tenha marcado?

Quando inaugurámos o Espaço Reynaers Lisboa. Convidaram-nos para lá ir passar um dia. Não me esqueço disto! Andámos de teleférico, estivemos todos juntos, colegas e chefes. Gostei muito. Diverti-me muito.

 

E que te tenha feito rir?

Em todos os nossos convívios dou umas boas risadas.

 

O que mais gostas na Reynaers?

O trabalho do dia-a-dia que nunca termina.

Isso é bom?

Para mim, que tenho muita energia, é. Não me ponham é com papéis que isso já mexe comigo.

 

E o que menos gostas?

Só me chateia não ter começado a trabalhar cá mais cedo!

 

E a tua equipa?

Acho que é 100%. De vez em quando lá temos as nossas coisas, mas é normal.

Conta-me um dia típico da tua rotina?

Faço de tudo aqui: descarregar, separar, embalar. Por vezes, até entregar.

Inauguração_ExC_Nunes

A ajudar nos preparativos para a Inauguração do Expert Center.

Sardinhada

No dia de Santo António a assar sardinhas, numa atividade interna.

E o que gostas de fazer fora daqui?

Gosto muito da agricultura e da jardinagem. É com isso que me entretenho em casa. Ao fins-de-semana gosto de cozinhar. Lá em casa preparamos a comida para a semana porque os dias passam a correr.

 

A tua especialidade?
Massa com bacalhau e Francesinhas.

Também sei fazer sapateira muito bem, mas isso só pode ser de vez em quando.

 

Como é que vês o teu futuro?

Costumo dizer que penso no dia-a-dia. A pandemia e agora a guerra põe uma pessoa a pensar o dia-a-dia. Não sabemos o dia de amanhã. Preocupa-me os nossos filhos…

 

Quantos filhos tens?

Tenho duas…

As meninas do papá, imagino :)

Sim, mas já crescidas. Têm 27 e 22 e já estão ‘despachadas’.

 

Tu tens…60 anos? Não é muito vulgar a tua pedalada. Até fico com inveja! :)

Já é de família. Eu acho que tem a ver com o meu coração. Bate poucas vezes (o meu ritmo cardíaco é de quarenta e qualquer coisa). Eu brinco com isso e até ao médico digo que sou muito acelerado para compensar o ritmo baixo do coração.

 

Qual o principal ensinamento que darias aos mais jovens?

Que a gente não pode desanimar, há sempre um dia melhor que o outro

 

Tão verdade, Nunes!

  • 2017_Social_Day_Nunes
  • 2019_Social_Day_Pintar_Associacao_Nunes
  • 2018_25_Anos_Reynaers_01_Nunes
  • 2019_Almoço_Natal_colega_Jorge_Nunes
  • 2021_Atividade_Interna_Together_Day
  • 2021_Açao_recebimento_garrafas_agua_Nunes
  • 2021_Inauguração_Showroom_Pombal
  • 2021_Almoço_Natal_Entrega_Premios_Nunes

- No Social Day a construir abrigo para as Cagarras com o colega João Cardoso, em Maio 2017

- Também numa atividade do Social Day, em 2018

- Na festa dos 25 anos da Reynaers Aluminium com a equipa do Apoio ao Cliente e Armazém na data atual, Novembro de 2018

- No almoço de Natal com o colega Jorge Moreira, dezembro 2018

- Em atividade Interna, o Together Day, Maio 2021

- Ação #maisaluminio, 2021

- Inauguração Showroom Pombal, com os colegas Jorge Moreira, Sérgio Sousa, João Cardoso, Novembro 2021

- No almoço de Natal a receber o prémio de Colaborador do ano, juntamente com os colegas de departamento, Dezembro 2021

 

Artigos relacionados