Skip to main content
  • ConceptWall 60 Fachadas - Office building Sir John Rogerson's Quay localizado em Dublin, Irlanda
  • ConceptWall 60 Fachadas - Office building Sir John Rogerson's Quay localizado em Dublin, Irlanda
  • ConceptWall 60 Fachadas - Office building Sir John Rogerson's Quay localizado em Dublin, Irlanda
  • ConceptWall 60 Fachadas - Office building Sir John Rogerson's Quay localizado em Dublin, Irlanda
  • O' Mahony Pike Architects

Sir John Rogerson's Quay

Dublin - Irlanda

EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS 

Uma adição marcante numa antiga zona de docas

Ocais Sir John Rogerson’s Quay em Dublin prolonga-se exactamente por oitocentos metros ao longo da margem sul do rio Liffey. Tem início na recentemente finalizada ponte Sean O’Casey, da autoria de Santiago Calatrava, e termina no local de construção da torre da banda de rock irlandesa U2, que nunca será construída, em Britain Quay. Esta zona da cidade de Dublin continua a sofrer grandes alterações físicas e sociais e alberga uma variedade de edifícios novos culturalmente importantes, como é o caso do novo Grand Canal Square Theatre da autoria de Daniel Liebeskind e do National Conference Centre de Kevin Roche, a inaugurar em breve na margem norte do rio. Tal como por todo o mundo e na maior parte das áreas de docas movimentadas no passado, a maior parte dos novos edifícios construídos no quadro de recuperação da área são edifícios de escritórios, construídos graças a uma generosa política governamental de incentivos fiscais e graças à revolução irlandesa na área da construção. Muitos destes edifícios albergam alguns dos maiores bancos mundiais e prestigiosas companhias informáticas. A estes juntou-se recentemente um novo edifício de escritórios da autoria dos arquitectos de O’Mahony Pike. O edifício de escritórios de oito andares faz parte de um projecto mais abrangente de utilização mista que virá a incluir um bloco residencial com 112 unidades de habitação e diversas unidades comerciais no piso inferior. O edifício de escritórios trata-se de um edifício com dois elementos - a ala ocidental consiste numa fachada vidrada com um padrão em xadrez de cores suaves e contrastes subtis opacos e transparentes, enquanto que a ala oriental, mais alta, foi desenhada como uma caixa de pedra com uma parede de vidro saliente com um padrão mais regular. O bloco de pedra assemelha-se a um suporte de livros forte e bem definido em relação a todo o cais, se o visualizarmos ao longo do Liffey.

Fachada

‘Os arquitectos queriam uma fachada de vidro completa, por isso o sistema CW 60 da Reynaers foi a escolha certa,’ segundo Eden Aluminium, o subempreiteiro responsável pela fachada. Foram utilizadas duas versões deste sistema – a versão padrão para o nível mais baixo, para a cobertura de vidro do átrio de entrada a nível da rua, e o sistema articulado para a parte mais alta do edifício com vidro colorido. Tal como muitas coisas que parecem ter um aspecto muito simples depois de finalizadas, a fachada de vidro transparente esconde alguma complexidade subtil. Por exemplo, uma vez que o edifício se destinava ao banco State Street Bank, a segurança era fundamental. O sistema CW 60 da Reynaers possibilitou a instalação do necessário vidro à prova de bombas e explosões. A camada exterior reforçada de 6 mm, combinada com uma lâmina interior composta por duas camadas de 6 mm de vidro laminadas conjuntamente, reforçam a fachada de vidro da forma necessária. Os elementos de vidro de grandes dimensões, alguns até 3 metros por 1,5 metros, exigiram a utilização de robots especiais de sucção durante a instalação. A Eden Aluminium afirma, também, orgulhosamente que a utilização do sistema CW 60 permitiu que o edifício conseguisse um dos melhores níveis de estanqueidade em edifícios de escritórios recentemente construídos na Irlanda, o que é crucial para que a ambição estética e elegante da fachada se reflicta também na redução de perdas de calor e na poupança de energia.

Cores delicadas

Os painéis coloridos – conseguidos através da pintura e cozedura do vidro – fornecem à fachada uma delicada palete de tons amarelos, lima e azuis. A restrição de cores imposta pelos arquitectos funciona. Os painéis opacos coloridos são de vidro e por isso reflectem o brilho tal como qualquer vidro, mas de forma um pouco menos literal, os painéis reflectem também as tonalidades em constante alteração do céu, do rio e da pedra e materiais tradicionais no cais. A utilização destas cores é inteligente pois permite que o edifício se insira no ambiente envolvente. Esta zona da cidade de Dublin é histórica e muito antiga, mas a cor faz com que o edifício moderno se insira bem neste local. Os detalhes planos e fluidos, possibilitados pelo sistema CW 60 da Reynaers, tentam a todo o custo eliminar o desnecessário, permitindo concentrar a vista e a mente na vida passada e futura desta parte colorida da cidade de Dublin.

Sistemas Reynaers utilizados

Parceiros envolvidos

Arquiteto

  • O' Mahony Pike Architects

Instalador

  • Eden Aluminium Ltd.

Fotógrafo

  • Enda Cavanagh

Outros parceiros

  • Danninger Ltd. (Empreiteiro geral)