Skip to main content
  • ConceptWall 50 Fachadas - Museum Museu Nacional da região Przemyśl localizado em Przemyśl, Polónia
  • ConceptWall 50 Fachadas - Museum Museu Nacional da região Przemyśl localizado em Przemyśl, Polónia
  • ConceptWall 50 Fachadas - Museum Museu Nacional da região Przemyśl localizado em Przemyśl, Polónia
  • ConceptWall 50 Fachadas - Museum Museu Nacional da região Przemyśl localizado em Przemyśl, Polónia
  • KKM Kozien Architeckci

Museu Nacional da região Przemyśl

Przemyśl - Polónia - 2008

A cidade de Przemyśl, localizada no sudeste da Polónia, é uma das mais antigas do país. A história turbulenta da cidade começou a ser arquivada em 1910 pela Sociedade dos Amigos do Conhecimento de Przemyśl, cujo trabalho continuou a partir de 1920 sob a alçada do Museu Nacional da Região de Przemyśl. Ao longo dos seus quase 100 anos de existência, a instituição alterou muitas vezes o local da sua sede, tendo decidido na viragem do século mandar construir um edifício de raiz para as suas instalações. Em 2002 foi efetuado um concurso nacional para o projeto de arquitetura.

O estúdio KKM Kozień Architects, situado em Cracóvia, foi escolhido de entre os mais de 100 participantes. O edifício desenhado pela KKM foi o primeiro Museu Nacional construído na Polónia no pós-guerra. O local da construção apresentava alguns desafios, uma vez que estava situado entre a azáfama do mercado Plac Rybi e um parque muito agradável junto a uma zona pedonal de tráfego intenso. Localizado junto ao centro da cidade, o museu conjuga regularidade e liberdade geométrica, monumentalismo e intimidade, sendo também óbvia a inspiração dos edifícios da área circundante. O edifício está dividido em duas partes principais: um volume ortogonal que funciona como centro de exibições e de leitura, e uma entrada poeticamente desenhada com uma secção administrativa junto ao primeiro volume. O volume principal tem três pisos com acabamento em estuque e a restante parte da estrutura possui quatro pisos revestidos com placas de grés, “cortadas” por janelas horizontais.

DIVISÃO FUNCIONAL

O novo edifício é um pequeno museu típico: 1200 m2 de espaço de exibições, uma sala de conferências para 200 pessoas, uma biblioteca, um bar e 1000 m2 de espaço de armazenamento, uma oficina, escritórios e salas de visitantes. A divisão funcional e simples: o piso térreo destina-se a exposições temporárias e conferências; o segundo piso destina-se a exposições sobre a história da região, enquanto o terceiro piso, alinhado com claraboias, foi desenhado para albergar uma galeria de arte. Enquanto três das fachadas do museu nos provocam uma sensação de inacessibilidade – revestidas por fortes paredes com pequenas aberturas para as janelas – a quarta fachada mostra-nos exatamente o contrário. Neste lado, o edifício possui uma fachada de 218 m2 de vidro orientada para a praça verde adjacente. Os espaços de exibição estão localizados neste lado. Por um lado, os arquitetos desejavam “abrir” o mais possível o interior do edifício ao exterior – e por isso decidiram utilizar uma coluna de 50 mm com CW 50 e um sistema de fachada de vidro com perfis em cor de grafite. Por outro lado, para evitar a excessiva exposição ao sol pelo lado sudeste, desenharam também uma serie de linhas de aço suspensas verticalmente contra as quais serão colocadas plantas.

ÁTRIO DE ENTRADA

O átrio de entrada é sem dúvida o espaço mais atrativo do museu de Przemyśl. O espaço é constituído por uma série de escadas e de passagens superiores que conduzem às galerias individuais. Situado entre os dois volumes principais do museu, com portas no piso inferior que dão acesso ao edifício tanto do lado do mercado de Plac Rybi como do lado parque, o átrio de entrada constitui de facto um elemento marcante na paisagem arquitetónica da Polónia. As paredes refletoras, as escadas em diversos cantos e o efeito naturalmente poético da luz natural proveniente de cima são elementos que permitem criar um espaço inesperado e dramático, quase como uma catedral. Estes elementos permitem talvez proporcionar um determinado estado de espírito ao visitante do museu, mesmo antes de entrar no espaço ortogonal da zona de exposições. A incidência da luz foi desenhada de forma bem especializada. As duas paredes que rodeiam as portas de entrada são totalmente em vidro. Altas e estreitas, tendo como base o sistema CW 50 da Reynaers e parcialmente reforçadas com faixas de aço, elas permitem a entrada abundante de luz natural no pequeno átrio. As portas em si incluem também o sistema CS 68 da Reynaers. O átrio de entrada é aberto para duas frentes e possui também uma escada iluminada a partir de cima que converge numa série de pontes e mezaninas suspensas na parte superior do átrio e que conduzem a espaços de exibição. As claraboias, também com o sistema CW 50, doseiam a luz solar, como que convidando os visitantes do museu a visitar o piso mais alto e mais claro deste edifício.

UM RESULTADO ELEGANTE

Os enormes volumes são complementados por imensos elementos de menor dimensão, como os vidros interiores, vitrinas, divisões e outros elementos em vidro, também elaborados com componentes da Reynaers. As perfurações na parede revestida a pedra de grés maciça, foram conseguidas com janelas com caixilhos em cor grafite, altamente eficientes em termos energéticos. Este sistema, denominado Eco, trata-se de um sistema de perfis de janelas e portas de duas câmaras. A imponente fachada em grés, o excelente trabalho de ferro, a execução perfeita e, obviamente, o sólido trabalho de arquitetura da KKM Kozień Architects resultaram num volume que se destaca na paisagem do sudeste da Polónia – um edifício de incrível valor não apenas como objeto de alta cultura, mas também como uma peça extremamente bem talhada no tecido urbano da agradável cidade de Przemyśl.

Sistemas Reynaers utilizados

Parceiros envolvidos

Arquiteto

  • KKM Kozien Architeckci

Instalador

  • Europlast Company

Outros parceiros

  • Inzynieria Company (Empreiteiro geral)